Últimas notícias de economia, política, carros, emprego, educação, ciência, saúde, cultura do Brasil e do mundo. Vídeos dos telejornais da TV Globo e da GloboNews.
Cinzas de mexicanos mortos pela Covid-19 nos EUA são repatriadas

245 urnas chegaram em aeroporto da Cidade do México neste sábado (11). Segundo governo mexicano, mais de 1,5 mil cidadãos do país morreram pela doença em solo americano. Cinzas são escoltadas após serem repatriados dos Estados Unidos, no aeroporto Benito Juarez, no México Luis Cortes/Reuters Um total de 245 urnas com as cinzas de mexicanos mortos nos Estados Unidos pela Covid-19 foram repatriadas neste sábado (11), informou o Ministério das Relações Exteriores do México. O Ministério da Defesa Nacional "fez essa transferência sem precedentes na história consular do México", afirmou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado. As urnas chegaram ao aeroporto da Cidade do México, onde funcionários do governo regional e do Ministério das Relações Exteriores montaram uma guarda de honra. A rede consular mexicana nos Estados Unidos "continuará apoiando as famílias que necessitam, implementando esquemas de repatriamento de cinzas", acrescentou o comunicado. Antes da partida do material de Nova York, foi realizado um funeral na Catedral de St. Patrick, liderado pelo arcebispo da cidade, Timothy Cardinal Dolan, com a presença de parentes das vítimas. Em 29 de junho, o Ministério das Relações Exteriores do México informou que até aquele momento 1.513 cidadãos mexicanos haviam morrido por causa do coronavírus nos Estados Unidos, quase metade deles em Nova York e arredores. Pouco mais de 12 milhões de pessoas nascidas no México e cerca de 26 milhões de segunda ou terceira geração vivem nos Estados Unidos, ou seja, com um ou ambos os pais nascidos no México. No México, com 127 milhões de habitantes, até este sábado, 295.268 pessoas foram infectadas pelo vírus e 34.730 morreram. Cinzas são escoltadas após serem repatriados dos Estados Unidos, no aeroporto Benito Juarez, no México Luis Cortes/Reuters Initial plugin text
Sun, 12 Jul 2020 06:17:58 -0000
Sandy & Junior revelam capa do registro audiovisual do show da turnê 'Nossa história'

♪ No embalo da repercussão da série documental Sandy & Junior – A história, estruturada em sete episódios e disponível com exclusividade na plataforma Globoplay, Sandy Leah e Junior Lima lançam na próxima sexta-feira, 17 de julho, o registro audiovisual do show da turnê Nossa história, apresentada no segundo semestre de 2019. Intitulado Nossa história – Ao vivo em São Paulo, esse registro teve a capa divulgada pelos irmãos em ações combinadas nas redes sociais no sábado, 11 de julho. Programada para entrar no ar no Globoplay e sem previsão de edição em mídia física, por ora, a gravação audiovisual perpetua o show que marcou a reunião da dupla Sandy & Junior após 12 anos de separação e que rodou o Brasil em rota que ganhou contornos internacionais e intercontinentais ao ser estendida para as cidades de Lisboa (Portugal) e Nova York (Estados Unidos) em outubro. Estreada em 12 de julho de 2019, em Olinda (PE), a turnê Nossa história totalizou 18 apresentações de grande porte ao ser encerrada em 9 novembro de 2019 após passar por 13 cidades. Rio de Janeiro (SP) e São Paulo (SP) – onde o show foi oficialmente captado em 12 e 13 de outubro em apresentações da dupla no ginásio Allianz Parque – tiveram três e quatro apresentações, respectivamente, para atender a grande demanda do público por ingressos.
Sun, 12 Jul 2020 03:10:36 -0000
Pianista Gilson Peranzzetta abre 'Sorriso de luz', disco feito em casa em apenas uma sessão de gravação

♪ Reforçando o time dos artistas que gravaram discos durante o período de isolamento social, o pianista, arranjador e compositor carioca Gilson Peranzzetta lança o álbum Sorriso de luz em edição digital. Gravado pelo engenheiro de som Didier Fernan na casa do músico, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), o disco apresenta reciclagens de 10 músicas do cancioneiro autoral de Peranzzetta. As faixas do álbum Sorriso de luz foram captadas em uma única sessão de gravação e transpostas para o disco sem emendas ou correções. Os temas são da lavra solitária do pianista, com exceções da música-título Sorriso de luz (Gilson Peranzzetta e Nelson Wellington, 1997) e de Obsession (1987), parceria de Peranzzetta com Dori Caymmi lançada em disco há 33 anos na voz da cantora norte-americana Sarah Vaughan (1924 – 1990), com letra em inglês escrita por Tracy Mann. Dessa produção solitária, o pianista rebobina no álbum Sorriso de luz as composições Braz de Pina, meu amor (2015, tributo do artista ao bairro carioca onde foi criado), Bruxo (2001), Céu de Itaúna (1988), Lá vai o cara (1993), Luiz, Eça é pra você (1997), Nós as crianças (1985), Paisagem brasileira (1986) e Quando te encontrei (2001).
Sun, 12 Jul 2020 03:05:36 -0000
Lives de hoje: Diogo Nogueira, Margareth Menezes, Teresa Cristina e mais shows para ver em casa

Neste domingo (12), Salgadinho e Enzo Rabelo também fazem transmissões. Veja horários. Diogo Nogueira, Margareth Menezes e Teresa Cristina fazem lives neste domingo (12) Divulgação Diogo Nogueira, Margareth Menezes e Teresa Cristina fazem lives neste domingo (12). Veja a lista completa com horários das lives abaixo. O G1 já fez um intensivão no começo da onda de lives, constatou o renascimento do pagode nas transmissões on-line, mostrou também a queda de audiência do fenômeno e a polêmica na cobrança de direito autoral nas lives. Diogo Nogueira - 12h - Link Salgadinho - 16h - Link Enzo Rabelo - 17h - Link Margareth Menezes (Em Casa com Sesc) - 19h - Link Teresa Cristina - 22h - Link Semana pop explica como o Black Lives Matter está mudando a cultura pop
Sun, 12 Jul 2020 03:01:38 -0000
Discos para descobrir em casa – 'Gil-Chico-Veloso por Claudete Soares', Claudette Soares, 1968

Capa do disco 'Gil-Chico-Veloso por Claudete Soares', de Claudette Soares Torok ♪ DISCOS PARA DESCOBRIR EM CASA – Gil-Chico-Veloso por Claudete Soares, Claudette Soares, 1968 ♪ Claudette Soares resolveu inventar moda em 1968. Tirou um “t” do nome artístico e decidiu gravar somente músicas de Caetano Veloso, Chico Buarque e Gilberto Gil no quinto álbum da discografia que tinha sido iniciada pela cantora em 1954 com single de 78 rotações por minuto. Compositores projetados nacionalmente nas plataformas dos festivais da segunda metade dos rebeldes anos 1960, Caetano, Gil e Chico já começavam a entrar na mira da censura naquele ano de 1968 – o que gerou temores na gravadora Philips quando Claudette levou a ideia do disco a João Araújo (1935 – 2013), o executivo da indústria fonográfica que ajudara a cantora a se desembaraçar do contrato com a gravadora Mocambo – por onde a artista lançara os dois primeiros álbuns, Claudette é dona da bossa (1964) e Claudette Soares (1965) – para levá-la para a Philips. Contudo, o álbum Gil-Chico-Veloso por Claudete Soares foi gravado e lançado sem sobressaltos, tendo se tornado ponto fora da curva na trajetória fonográfica dessa cantora nascida em 31 de outubro de 1937, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), e batizada com o nome de Claudette Colbert Soares. Dona de si, da bossa e do dom desde muito cedo, Claudette Soares entrara em cena aos 10 anos de idade, no programa de calouros Papel carbono, da Rádio Nacional, para imitar Emilinha Borba (1923 – 2005) no canto da rumba Escandalosa (Moacyr Silva e Djalma Esteves, 1947). Descontada a travessura infanto-juvenil, Claudette Soares iniciou a carreira para valer nos anos 1950, década em que foi coroada Princesinha do baião pelo próprio rei do gênero, Luiz Gonzaga (1912 – 1989). Só que Claudette abriu mão dessa nobreza nordestina porque percebeu que a maciez do próprio canto se alinhava mais com a modernidade da bossa antecipada por cantores como Dick Farney (1921 – 1987), com quem Claudette (não por acaso) viria a gravar disco nos anos 1970, década em que a discografia da cantora adquiriu tonalidade mais romântica no rastro da explosão da gravação original da canção De tanto amor (Roberto Carlos e Erasmo Carlos), lançada pela artista em 1971. Com a intenção de se dissociar do baião, Claudette Soares foi então procurar a própria turma. E a encontrou entre a geração musical dos anos 1960 que levou adiante o legado da bossa nova. Até por isso um disco com músicas de Caetano, Chico e Gil soou fora do tom em 1968 na obra de Claudette Soares. Por mais que os três compositores também tenham bebido avidamente da fonte da bossa, eles transitavam por outros universos musicais, sendo que Caetano e Gil ainda estavam às voltas com a Tropicália naquele ano de 1968. Do alto do 1,49 metro que sempre fez dela uma das “menores” cantoras do Brasil, Claudette bancou a ideia do disco, gravado com produção musical orquestrada por Manoel Barenbein e com arranjos divididos entre Rogério Duprat (1932 – 2006), Julio Medaglia e César Camargo Mariano, pianista que já tinha trabalhado no primeiro álbum da cantora quando ainda dava os primeiros passos profissionais como músico e arranjador. De cada um dos três compositores, Claudette Soares escolheu – sem qualquer traço de obviedade – quatro músicas, sendo que, na disposição das 12 faixas do álbum Gil-Chico-Veloso por Claudete Soares, Gil ficou com cinco músicas porque uma das quatro composições de Caetano, Lia (1968), também trouxe a assinatura de Gil e curiosamente nunca foi gravada por nenhum dos compositores. Com citações da ciranda de Lia de Itamaracá, a faixa Lia ostentou o complexo aparato orquestral típico da obra de Julio Medaglia como arranjador. Único arranjador creditado na magra ficha técnica do LP, talvez por ser o maestro oficial da Tropicália, Rogério Duprat teve impressa a forte assinatura orquestral do artista nos arranjos de músicas como Deus vos salve esta casa santa (1968), parceria de Caetano com Torquato Neto (1944 – 1972), poeta da Tropicália e autor de um dos três avalizadores textos escritos para a contracapa do LP, sendo que os outros dois foram redigidos pelo próprio Duprat e pelo jornalista Randal Juliano (1925 – 2006). “Claudette sempre foi assim, sempre esteve na linha de frente”, ressaltou Torquato no texto dele para a contracapa. Torquato Neto também foi o parceiro de Gil na tropicalista Domingou (1968), música gravada por Claudette e por Gil naquele mesmo ano de 1968 e desde então nunca mais alvo de registro fonográfico. De Caetano, Claudette também gravou o samba Remelexo (1967) – quase jogado dentro da roda baiana – e Clara (1968), música interpretada pela cantora com Gil. Gil também figurou com convidado de Claudette no canto de Iemanjá (1966), única parceria do compositor com o ator Othon Bastos. Iemanjá pareceu entrar na onda marítima e musical de Arrastão (Edu Lobo e Vinicius de Moraes, 1965), composição que projetara Elis Regina (1945 – 1982) em festival. Ao abordar o cancioneiro de Gil, Claudette acertou o passo ágil do Frevo rasgado (1968) – parceria do compositor com Bruno Ferreira – e caiu bem no samba Mancada (1967) com a habitual leveza vocal e com piano de César Camargo Mariano, arranjador dessa faixa cheia de bossa. Da obra de Chico Buarque, Claudette Soares gravou os sambas Desencontro (1968) – também com a bossa do piano de Mariano – e Januária (1968), este adornado com o contracanto de grupo vocal masculino não creditado na ficha técnica. Outro samba, Bandolim, descoberto no baú de Chico pelo produtor Manoel Barenbein, foi gravado em clima de sambalanço, com bossa e com toque de choro no arranjo criado por César Camargo Mariano e tocado pelo pianista com o baixista Sebastião Oliveira da Paz (o virtuoso Sabá, morto em 2010) e o baterista Toninho Pinheiro, músicos que formavam com Mariano o grupo Som 3. O curioso é que o samba-choro Bandolim jamais foi gravado por Chico e por nenhum outro intérprete, tendo permanecido esquecido neste álbum de Claudette Soares cuja capa deveria trazer foto da cantora com os compositores se contratempos nas agendas dos artistas não tivessem impedido a feitura da foto. Completando o lote mais melancólico de músicas de Chico abordadas pela cantora no disco, Lua cheia – parceria do compositor com Toquinho – foi iluminada em andamento evocativo das marchas-rancho e em clima de seresta no arranjo do maestro Julio Medaglia. Recebido com discrição pelo público da artista, o álbum Gil-Chico-Veloso por Claudete Soares ganhou status de disco cult com o tempo por ter marcado o encontro de Claudette Soares com os maestros Rogério Duprat e Julio Medaglia em incursões ousadas pelas obras de três compositores fundamentais na história da MPB. Foram abordagens feitas com a modernidade dessa cantora cheia de bossa que, como Torquato Neto observou no texto da contracapa do LP (nunca reeditado em CD no Brasil), atravessou os anos 1960 na linha de frente da música brasileira, mas que, em 1969, parou de inventar moda com a grafia de Claudette e reincorporou definitivamente o segundo “t” ao nome artístico.
Sun, 12 Jul 2020 03:01:37 -0000
Vias voltam a ser fechadas para áreas de lazer neste domingo no Rio

Fim de semana foi o primeiro após início de nova fase da reabertura de atividades da cidade, depois de restrições por causa do novo coronavírus. Avenida Atlântica, que voltará a ser usada como área de lazer, em foto de dezembro Carlos Brito/G1 Vias que eram interditadas para serem usadas como área de lazer antes das medidas restritivas contra o novo coronavírus voltam a ser destinadas para este fim neste domingo (12). As interdições ocorrem nos domingos e feriados. Entre as vias, segundo a prefeitura, estão: Avenida Atlântica, Avenida Vieira Souto, Avenida Delfim Moreira, Aterro do Flamengo, Rua Dias da Cruz, Praça da Cruz Vermelha Praça Edmundo Rego No início de junho, o prefeito Marcelo Crivella anunciou uma retomada gradual dividida em seis fases. O município entrou, nesta sexta-feira (9), na fase 3 – B. A previsão é que cada etapa dure 15 dias. O carioca que estiver nas áreas de lazer perto da orla neste domingo deverá ficar atento para a recomendação de que ainda não está permitida a permanência nas areias das praias. Neste sábado, 44 pessoas foram multadas por desrespeitar as regras. Confira alterações na nova fase : Áreas de lazer em vias públicas são reabertas a partir deste domingo (12), das 7h às 18h, aos domingos e feriados; Praças e parques voltam a abrir (confira mais informações abaixo); Clubes são autorizados a retomar as atividades, mas jogos devem ser realizados apenas em quadras abertas; Feiras de arte e artesanato também voltam a funcionar, com 1/3 dos expositores; veja a relação abaixo - Feirarte I – Praça General Osório: domingos, das 9h às 15h; -Feirarte II – Praça XV de Novembro: quintas e sextas-feiras, das 9h às 15h; -Feirarte III – Praça Sáenz Peña: sextas-feiras, das 10h às 16h, e sábados, das 9h às 15h; - Feirarte V – Praça do Lido: sábados e domingos, das 11h às 17h; - Feirarte VI – Calçadão de Copacabana: sábados e domingos, das 16h às 22h. Shoppings podem funcionar em horário ampliado, das 12h às 22h (até então, o fechamento deveria ocorrer às 20h); Serviços de loteria, que já estavam autorizados, passam a abrir por mais tempo, das 8h às 18h; Vilas olímpicas também podem abrir, desde que não haja aglomeração e que se respeitem as regras de ouro. O que está mantido da fase 3-A Mantida as normas já vigentes pra lanchonete bares e restaurantes com funcionamento até 23h. Comércio de rua pode funcionar de 11h às 17h, com 1/3 da capacidade; Salões de beleza e estética e estúdios de tatuagem mantém as mesmas normas; Academias podem funcionar, com restrições, e as aulas de natação estão permitidas; Refeitório das escolas municipais podem funcionar, mas aulas permanecem suspensas; Ambulantes podem trabalhar apenas se tiverem ponto fixo e seguem proibidos nas praias; Praias permitidas apenas para as práticas e atividades esportivas individuais; Pontos turísticos seguem fechados; Jogos de futebol seguem sem torcida. Atividades ao ar livre e uso de máscaras De acordo com a prefeitura, parques e praças são abertos - exceto o Parque Madureira e a Quinta da Boa Vista, que precisam de ajustes operacional - e, assim como nas praias, seguem permitidas as atividades físicas individuais. Parques e praças estão liberados apenas para a prática de atividades físicas. Estão proibidas as práticas de piquenique, comemorações e eventos. Veja como foi o primeiro dia de liberação de parques Clubes, associações, hipódromos e quadras de aluguel podem abrir, mas seguem vedados os esportes de contato, como lutas e artes marciais, e jogos em quadras fechadas. Escolinhas de treinamento e eventos em espaços fechados permanecem proibidos. Ainda no segmento de esportes e lazer, continuam vedadas a sauna e a hidromassagem. Ciclismo de competição A partir deste domingo (12), a APCC Porto Circuito Marcos Hama voltará a funcionar em seu horário habitual, aos domingos e feriados, das 6 às 8h. Para sua realização, o Túnel Marcelo Alencar e a Av. General Justo em ambos os sentidos voltarão a ser fechados das 5h30 às 8h30, aos domingos e feriados. Nesta quinta-feira (9), Marcelo Crivella deu ainda outros detalhes da nova fase. A partir do próximo fim de semana, a prefeitura informou que vai multar banhistas que desrespeitarem a regra de não permanecer nas praias. "Vamos multar a partir desse fim de semana em R$ 107 por crime de desobediência", advertiu o prefeito. Bares e restaurantes liberados O primeiro estágio da terceira etapa permitiu que bares e restaurantes sirvam clientes nas mesas, liberou mais atividades na areia e permitiu reabertura de academias. Há, no entanto, regras que a população deve cumprir. "A fase três tinha um impacto significativo, por isso a dividimos em duas etapas." Atualmente, 71,6% de leitos de UTI da rede pública e 89% dos leitos de UTI da rede privada estão ocupados. "A rede privada tem uma grande velocidade de mobilizar é desmobilizar a oferta de leitos", destacou Flávio Graça, superintendente fiscal da Vigilância Sanitária, enfatizando que vários hospitais já desmobilizaram alas para os pacientes com Covid-19. De acordo com Graça, há uma curva decrescente de óbitos no Rio, com pequena variação de uma semana para outra. "Números de casos notificados por síndrome gripal, apesar de já estamos no inverno, estão diminuindo. A partir do início do plano de retomada, a ocupação de leitos só caiu", afirmou o superintendente. Para a prefeitura do Rio, o aumento da circulação de pessoas nas ruas não tem causado reflexo no número de casos e está dentro do planejamento. "O disk-aglomeração caiu de 12,3 mil chamados antes da fase 1, para 2 mil chamados", ressaltou Graça, que acredita que os indicadores estão favoráveis para adotar até a fase 6. Há quase um mês, após a permissão da realização de esportes aquáticos nas praias, a orla do Rio vem registrando intensa movimentação e aglomeração na areia. O estadio do Rio tinha neste sábado 11,4 mil mortes e mais de 129 mil casos de Covid-19.
Sun, 12 Jul 2020 03:01:36 -0000
Jovem de 19 anos é morto a tiros quando caminhava em rua na Grande Fortaleza

Segundo a polícia, a vítima já havia sofrido dois atentados. Jovem foi abordado pelos criminosos na rua Santana Cecília, no bairro Itambé, em Caucaia. Rafaela Duarte/ SVM Um jovem de 19 anos foi mortos a tiros quando caminhava na Rua Santa Cecília, no Bairro Itambé, em Caucaia, na Grande Fortaleza. O caso aconteceu na noite deste sábado (11). De acordo com agentes do 12º Batalhão da Polícia Militar, que atenderam a ocorrência, a vítima não tinha ficha criminal, mas era envolvida com uma facção criminosa. Inclusive, já havia sofrido dois atentados anteriormente. Ele morava próximo ao local onde o crime aconteceu. Ainda conforme a polícia, após a ação os criminosos fugiram e o corpo do jovem ficou caído na via. Na região onde o homicídio aconteceu atuam duas facções rivais. Nas paredes de algumas residências do local existem frases com ordens e ameaças.
Sun, 12 Jul 2020 02:26:49 -0000
GloboNews Debate analisa decisões polêmicas da Justiça

O programa se debruça sobre o caso do compartilhamento de informações da força-tarefa da Lava-jato com a PGR - determinado pelo ministro Dias Toffoli, e a decisão do presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha, que concedeu prisão domiciliar ao ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e à mulher dele, Márcia Aguiar. O programa se debruça sobre o caso do compartilhamento de informações da força-tarefa da Lava-jato com a PGR - determinado pelo ministro Dias Toffoli, e a decisão do presidente do STJ, ministro João Otávio de Noronha, que concedeu prisão domiciliar ao ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e à mulher dele, Márcia Aguiar.
Sun, 12 Jul 2020 02:05:18 -0000
VÍDEOS: CETV 2ª Edição de sábado, 11 de julho

Assista aos videos com as notícias do Ceará. Assista aos videos com as notícias do Ceará.
Sun, 12 Jul 2020 01:32:26 -0000
Média Móvel: dez estados e o DF têm alta no número de mortes por Covid-19
Brasil tem mais de 71 mil mortes pelo coronavírus. Márcio Gomes apresenta o retrato estatístico da pandemia, com os dados coletados pelo consórcio de veículos de imprensa. Média Móvel: dez estados e o DF têm alta no número de mortes por Covid-19 O Brasil superou, neste sábado (11), as 71 mil mortes pela Covid-19. Márcio Gomes apresenta o retrato estatístico da pandemia, com os dados coletados pelo consórcio de veículos de imprensa. De acordo com o levantamento atualizado às 20h, o Brasil perdeu 968 vidas nas últimas 24 horas por causa da Covid-19. O total de óbitos chega a 71.492. E 36.474 novos casos foram confirmados nas últimas 24 horas; 1.840.812 brasileiros foram infectados desde o começo da pandemia. Lembrando que hoje é sábado e pelo acompanhamento dos números desde o começo da pandemia no Brasil, a gente sabe que, aos fins de semana, é mais difícil fazer todos os registros de novos casos e de óbitos. O número cai porque tem menos gente trabalhando em hospitais e nos laboratórios. Ele fica represado e, só a partir de terça-feira, consegue ser incluído nos totais. No último número fechado pelo consórcio de veículos de imprensa, a média de mortes dos últimos sete dias no Brasil é de 1.018. O gráfico se mantém praticamente inalterado, em um patamar alto. A média móvel de novos casos do coronavírus é de 37.660. A média móvel é a soma do número de mortes dos últimos sete dias, dividido por sete, e é móvel porque vai sendo atualizada todo dia. Para os especialistas, está é a melhor forma de acompanhar o comportamento da pandemia. Para saber se os números da doença estão em alta, em queda, ou estáveis, é feita a comparação entre a média móvel deste sábado e a média móvel de 14 dias atrás. E de acordo com o último levantamento, o número de novas mortes está subindo nos seguintes locais: Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Roraima, Tocantins, Paraíba e Distrito Federal. Em estabilidade: Espírito Santo, São Paulo, Rondônia, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí e Sergipe. Segundo os infectologistas, é possível dizer que o número de mortes ficou estável quando a variação entre a média registrada hoje, e a média registrada há 14 dias, foi de até 15%, para mais ou para menos. Em queda: Rio de Janeiro, Acre, Amazonas, Amapá, Pará e Rio Grande do Norte. JN analisa dados da pandemia de coronavírus no Brasil Veja mais informações. G1 e telejornais passam a divulgar dados mais detalhados sobre a pandemia de Covid-19 no Brasil
Sun, 12 Jul 2020 01:11:09 -0000

This page was created in: 0.01 seconds

Copyright 2020 Oscar WiFi

This website or its third-party tools use cookies, which are necessary to its functioning and required to achieve the purposes illustrated in the cookie policy. By closing this banner, scrolling this page, clicking a link or continuing to browse otherwise, you agree to the use of cookies. If you want to know more or withdraw your consent to all or some of the cookies, please refer our Cookie Policy More info